Busca Avançada
Contos de Kolima
R$ 59,00

Editora: 34
Autor: Varlam Chalámov
Páginas: 304
PRAZO DE ENTREGA:

 
10 dias após a confirmação do pagamento.



SINOPSE:


Em Kolimá, região desolada no extremo leste da Sibéria, onde as temperaturas alcançam 60 graus negativos, localizavam-se alguns dos campos de trabalhos forçados mais terríveis da era stalinista. Foi aí que o escritor russo Varlam Chalámov (1907-1982) cumpriu a maior parte de sua pena de quase vinte anos, trabalhando até 16 horas por dia em minas de ouro e carvão, constantemente doente e subnutrido.
Ao final desse período, retorna a Moscou e, no ano seguinte, começa a escrever sua obra monumental: as mais de 2 mil páginas dos Contos de Kolimá - divididos em seis volumes, conforme organização concebida pelo autor -, trabalho que lhe tomaria outros vinte anos e no qual a escavação profunda da memória, o relato autobiográfico sem floreios, são acompanhados a cada passo por uma reflexão aguda sobre os limites do humano em face de experiência tão brutal. Trata-se de um documento sem paralelos na literatura de testemunho do século XX, considerado por muitos superior ao Arquipélago Gulag de Aleksandr Soljenítsin.
Este primeiro volume, Contos de Kolimá, com que se inicia a publicação da epopeia de Chalámov, vem apresentado por Boris Schnaiderman e prefaciado por Irina P. Sirotínskaia, companheira do escritor em seus últimos anos e profunda conhecedora de sua obra.

Sobre o autor:
Varlam Tíkhonovitch Chalámov nasceu em 1907, em Vólogda, Rússia, filho de um padre ortodoxo. Conclui os estudos secundários em 1924 e em 1926 é admitido no curso de Direito da Universidade de Moscou, quando começa a escrever seus primeiros poemas. Em fevereiro de 1929 é detido numa gráfica clandestina imprimindo panfletos contra Stálin. Condenado a três anos de trabalhos correcionais, cumpre a pena na região de Víchera, nos montes Urais. Libertado, retorna a Moscou no início de 1932. Em 1936 tem sua primeira obra publicada: o conto As Três Mortes do Doutor Austino. Em janeiro de 1937 é novamente detido e condenado pela sentença de atividades trotskistas contrarrevolucionárias, sendo enviado para a região de Kolimá, no extremo oriental da Sibéria, onde permanecerá por 15 anos em diversos campos de trabalhos forçados. No final do anos 1940, extremamente debilitado pelas condições extremas de sobrevivência nos campos, é ajudado por um médico e faz um curso de enfermagem, passando a trabalhar em hospitais de prisioneiros. Nessa época escreve os poemas dos Cadernos de Kolimá. Em 13 de outubro de 1951 chega ao fim sua pena. Retorna a Moscou em 1953, e com a ajuda de Boris Pasternak, volta a reinserir-se no meio literário. Em novembro desse ano começa a escrever os Contos de Kolimá, obra que vai absorvê-lo até 1973. No final da década de 1960, estes contos passam a ser publicados no exterior, e em 1981 recebe o Prêmio da Liberdade do Pen Club francês. O ciclo dos Contos de Kolimá é hoje considerado uma das obras-primas da literatura de testemunho do século XX, ao lado dos relatos de Soljenítsin, Primo Levi e Jorge Semprún. Anos depois, quando a saúde de Chalámov se deteriora, passa a viver em um abrigo de idosos, vindo a falecer em 1982.


Sobre as tradutoras:

Denise Regina de Sales é doutora em Literatura e Cultura Russa pela Universidade de São Paulo e trabalha atualmente como professora de Língua e Literatura Russa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Nasceu em Belo Horizonte, em 1965, e graduou-se em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade Federal de Minas Gerais. De 1996 a 1998, trabalhou na Rádio Estatal de Moscou como repórter, locutora e tradutora. Publicou diversas traduções, entre elas o romance Propaganda monumental, de Vladímir Voinóvitch (2007), as novelas Minha vida e Três anos, de A. P. Tchekhov (2011 e 2013, respectivamente), e a coletânea de contos de Nikolai Leskov, A fraude e outras histórias (2012).


Elena Vasilevich nasceu na Rússia, em Leningrado (atual São Petersburgo), e vive no Brasil desde 2007. Formada em Letras pela Universidade Estatal de Leningrado - em que também defendeu dissertação de mestrado acerca da obra de A. P. Tchekhov -, trabalhou como arquivista e guia na casa-museu desse escritor em Ialta, na Crimeia. Escreveu diversos artigos acerca de temas russos e colaborou com Denise Sales na tradução de Minha vida e Três anos, novelas de Tchekhov publicadas pela Editora 34. Atualmente é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura Russa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.