á Busca Avanšada
Combo Revolucoes: Revolucao sul-africana + Revolucoes africanas
R$ 52,00

Editora: Unesp
Autor: Vários
P?ginas: 366
PRAZO DE ENTREGA:

 
10 dias ap?s a confirma??o do pagamento.



SINOPSE:

Combo os dois livros da editora UNESP. Confira Sinopse de cada livro

REVOLUCAO SUL-AFRICANA, A
 Carregada de mitos, a história da Revolução Sul-Africana, que levou ao poder o Congresso Nacional Africano (CNA) sob a liderança de Nelson Mandela, em 1994, é ainda pouco conhecida. A transição do regime do apartheid para a democracia, por exemplo, não foi pacífica.Além disso, embora tenha melhorado a situação social dos negros, o novo governo não conseguiu eliminar os privilégios da minoria branca. Por fim, uma espécie de reação conservadora tenta, hoje, conferir significado mais positivo ao regime racista e atudo que ele representou, enquanto busca desmoralizar o CNA por sua incapacidade de conquistar mais estabilidade política e combater com efetividade a corrupção, desconsiderando que estas são dificuldades comuns às jovens democracias.

Nesta obra, a autora remonta ao processo de colonização da África do Sul por holandeses, franceses e ingleses no século 17, reconstruindo a partir daí as raízes do regime racista, quedeu origem à revolução enraizada em condições históricas peculiares – a contradição entre classe e raça. Ela também mostra como, nesse cenário, emerge sua liderança máxima, Nelson Mandela, explicitando a trajetória ainda pouco conhecida do político que se tornaria modelo mundial de resistência.

Um dos momentos decisivos para a consolidação do regime foi a vitória britânica nas guerras bôeres, entre o fim do século 19 e o começo do século 20. A Grã-Bretanha anexou os estados independentes que aqueles fazendeiros brancos, de origem holandesa, haviam estabelecido no oeste, já então minerador. Empobrecidos, eles passaram a pregar o nacionalismo africâner – contra os invasores ingleses e os nativos. Lançavam-se assim os fundamentos do racismo, que o sistema de exploração mineral empregado pelos britânicos, contrapondo trabalhadores brancos e negros, ajudou a sedimentar.

O nacionalismo africâner culminaria com as legislações segregacionistas no começo do século 20, ganharia elementos fascistas e resultaria na instituição, em 1948, do regime do apartheid, do qual os países industrializados se tornariam cúmplices. Estava posto naquele momento o ambiente para uma reação mais agressiva por parte dos negros, que na verdade começaram muito cedo a se organizar, embora pacificamente, contra o regime – em 2012 o CNA, o movimento de libertação mais antigo, completou 100 anos.

A luta armada como ação política passou a fazer parte da estratégia dos movimentos de libertação da África do Sul no início dos anos 1960. As negociações entre o CNA e o Partido Nacional só se tornaram possíveis a partir do fim da Guerra Fria, quando ambas as partes se enfraqueceram, já que o governo tinha apoio do bloco ocidental e os revolucionários, da União Soviética.

Atualmente, após quase 20 anos da transição democrática, a sólida estrutura erguida pelo apartheid permanece nas bases sociais e econômicas da África do Sul e continua dificultando o acesso igualitário da maioria da população aos recursos econômicos do país. O grande desafio, diz a autora, é aprimorar a ainda frágil democracia.

SOBRE a AUTORA

Analúcia Danilevicz Pereira

Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisadora do Centro de Estudos Brasil-África do Sul, da mesma instituição.

REVOLUCOES AFRICANAS, AS - ANGOLA, MOÇAMBIQUE E ETIÓPIA
Na 18ª obra da Coleção Revoluções do Século 20, Paulo Fagundes Visentini traça o cenário que possibilitou a eclosão das revoluções de cunho social ou socialista na África nos anos 1970, focalizando as consideradas mais marcantes: as que mudaram os regimes de Angola, Moçambique e Etiópia.
Segundo o autor, essas revoluções têm as mesmas características políticas e, do ponto de vista histórico, compartilham a mesma conjuntura que estimulou revoluções semelhantes em vários países do terceiro mundo naquele período. Tal cenário abrangia a crise econômica nos países desenvolvidos, a derrota dos Estados Unidos no Vietnã e a queda de governos autoritários que integravam o flanco sul da OTAN.
No caso africano, mais um ingrediente viria a integrar essa conjuntura: os movimentos de libertação das tardias colônias portuguesas, que acabaram por abrir caminho para revoluções nacionais democráticas e até socializantes.
Visentini analisa as lutas árduas decorrentes desses movimentos revolucionários, que tiveram de enfrentar forças conservadoras nacionais e estrangeiras poderosas, e as transformações sociopolíticas que promoveram ao longo dos 15 anos seguintes à tomada do poder.
“Hoje, pouca gente conhece ou se lembra de tais experiências, pois a historiografia pós-Guerra Fria rotulou-as simplesmente como “regimes autoritários de partido único”, escreve Visentini, lembrando que, embora possa ser aplicado a quase todos os Estados africanos nascidos naquele período, tal rótulo foi usado apenas para designar os governos que se posicionaram como de esquerda.